Sindicatos de trabalhadores cobram aumento real para o mínimo de SC

postado em: Notícias, Trabalho | 0
Por Estela Benetti
21/01/2020 – 22h25 – Atualizada em: 22/01/2020 – 06h24
Terceira reunião de negociações foi realizada nesta terça-feira Foto:Sandra Werle, Divulgação

 

Terceira reunião de negociações foi realizada nesta terça-feira Foto:Sandra Werle, Divulgação

 

Lideranças de federações que representam empresas e trabalhadores do Estado fizeram, na tarde desta terça-feira, mais uma reunião para a definição do reajuste do Piso Salarial Estadual para 2020. Foram três reuniões até agora e persiste um impasse porque a contraproposta patronal não incluiu aumento real (acima da inflação). Entidades dos empresários ofereceram somente a inflação de 2019. Outra reunião será realizada dia 30 deste mês.

Segundo o coordenador sindical do Dieese e diretor da Federação dos Trabalhadores do Comércio do Estado de SC (Fecesc), Ivo Castanheira, que lidera as negociações do lado dos trabalhadores, nos nove anos do mínimo de SC sempre foi concedido ganho real.

– Vamos realizar tantas rodadas quanto forem necessárias, mas para que o acordo seja fechado os empresários precisam valorizar o piso catarinense – afirmou Castanheira.

A reunião desta terça, realizada na sede da Fecesc, contou com a participação de 60 dirigentes que representaram sindicatos de trabalhadores e de empresas e comemorou os 10 anos de negociações.

O mínimo catarinense, que resultou de pressão popular, vigora desde 2010 e sempre com muita discussão. Normalmente é sancionado pelo governador em março ou abril e as empresas pagam os valores retroativos. Segundo o presidente da União Geral de Trabalhadores em SC (UGT), Sérgio Diniz, somente em SC há uma negociação unificada de todas as categorias para definir o piso estadual.

Mínimo nacional

A decisão do governo federal de aplicar o INPC de 2019, de 4,48%, e ser um pouco mais generoso com o mínimo nacional também pode ajudar na definição de um ganho real em SC. No caso nacional, se o governo tivesse reajustado apenas com o INPC, o mínimo passaria de R$ 998 para R$ 1.042,71. Mas uma reunião do presidente Jair Bolsonaro com o ministro da Economia Paulo Guedes resultou em R$ 1.045, o que significa uma alta de 4,71% e um leve ganho real de R$ 2,29.

Fonte: https://www.nsctotal.com.br/colunistas/estela-benetti/sindicatos-de-trabalhadores-cobram-aumento-real-para-o-minimo-de-sc

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três + 12 =